sábado, 19 de março de 2011

VLT de Campinas

Foi construído no inicio da década de 90, em julho de 1990, na cidade  de Campinas, no interior de São Paulo, foi o primeiro VLT do Brasil, mas anos depois, foi desativado, mais a frente  veremos o porque.


O VLT utilizou o antigo leito da Estrada de Ferro Sorocabana, o que barateou o custo do projeto, mas esse "barato", no  final saiu caro, muito caro, custou a desativação do VLT.


Motivos:

  1. Falta de integração com integração com o sistema de transporte da cidade
  2. Estações mal localizadas
  3. Baixa demanda
  4. O sistema era "isolado" da cidade, longe de tudo


A estação Central (ponto inicial do VLT), ficava a 900 metros da Av Francisco Glicério o Centro da cidade, a linha teve apenas 8 KM, e terminava na  Av. das Amoreiras, não tinha integração com o sistema de transportes da cidade, o que contribuiu muito para seu fim, também, por ter sido uma obra eleitoreira, pois, por coincidência ou não, as obras terminaram no fim do governo Quércia, e entregue pouco antes das eleições de 1990, quando Fleury ( do mesmo partido que Quércia) venceu as eleições para Governador de São Paulo.

Hoje, o sistema amarga em Campinas, desativado, servindo para prostitutas e usuários de drogas, salvo A estação Barão de Itapura, que hoje serve como cooperativa de reciclagem.

O sistema contou com 8 estações distribuídas por 8 km:



1) Estação Central








                                                 A estação, hoje não existe mais






























2) Estação Barão de Itapura










3) Estação Aurélia











4) Vila Teixeira








5)Parque Industrial











6) Estação Anhaguera 









7) Estação Pompéia











8) Estação Campos Elísios










O VLT
Série 5700


Fabricado pela Cobrasma/BN, tinha como velocidade máxima 80km/h, vide a tabela abaixo:


Tipo ConstrutivoCarro Articulado
MaterialAço Carbono
Eixos6
Comprimento25,476m
Largura2,70m
Altura3,80m
Altura do Piso0,95m
Bitola1.600mm
Tensão da Catenária750V
Potência do Motor2x268HP
Relação de Transmissão5,1
Velocidade Máxima80km/h
Peso do Carro Vazio37t
Lotação Sentados59
Lotação em Pé195 (6 passageiros/m2)
Aceleração/Desaceleração Tração1,0m/s2
Frenagem1,2m/s2
Frenagem de Emergência1,5m/s2






FONTES
]
Texto:
Adaptado de: Wikipédia e Fórum Skyscrapercity

Fotos: 
Fórum Skyscrapercity, Wikipédia, e Site Estações Ferroviárias









14 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Devido aos problemas de trânsito intenso, a minha opinão seria ativar o VLT de Campinas novamente: reformar conexões já existentes (que estava em funcionamento em 1990 até 1995, hoje abandonada) e construir ramais ferroviários à área central e aos bairros mais populosos, implantando estações de transferência de passageiros. Aí, teria menos carros nas ruas e menos trânsito e mais pessoas no VLT de hoje do que nos anos 1990.

    ResponderExcluir
  3. PARABÉNS PELA MATÉRIA.
    BEM ILUSTRADA E ESCLARECEDORA.
    RETRATA UMA VERGONHA DO POVO CAMPINEIRO, PROVOCADO POR POLITICOS INCOMPETENTES.

    TENHO ADIMIRAÇÃO POR VCS JOVENS APAIXONADOS POR FERROVIAS.

    QUE DEUS OS ABRNÇÕES, E QUE NÃO DESISTAM NUNCA

    ResponderExcluir
  4. Acho que ao invés de terem abandonado o vlt da forma que abandonaram, deviam usá-lo para fazer a ligação entre Campinas e Jundiaí, passando por louveira valinhos vinhedo. A CPTM não precisaria comprar novos trens e sim reeletrificar o trecho. Não precisaria de muita coisa! Era só querer, mas eles não querem... esses desgraçados!

    ResponderExcluir
  5. A salvação dos campineiros sera a implantação de um metro logo m breve!

    ResponderExcluir
  6. é acho que deveriam reativar e estudar outras maneiras.. embaçado dinheiro jogado fora..

    ResponderExcluir
  7. A DIFERENÇA ENTRE UM GENUÍNO VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) E UM TREM DE SUBÚRBIO NÃO RESIDE APENAS NA FORMA E TIPO DE TRENS/VEÍCULOS QUE O COMPOEM. A ESTRATÉGIA PARA SEU FUNCIONAMENTO , LOGÍSTICA, É IMPORTANTE PARA ISTO. UM VLT INTERAGE COM O TRANSITO DA CIDADE ,COMO OS ANTIGOS BONDE ,POIS É ISTO O QUE ELE É ,UM BONDE MODERNO, INDO A PONTOS DA CIDADE QUE OUTROS TRANSPORTES VÃO , POR ISTO ,MUITOS SÃO CONTRA E O CLASSIFICAM DE TRANSPORTE TURÍSTICO , SIM TURÍSTICO , POIS É LEVE POR CARACTERÍSTICA E CONCEITO. ALÉM DE PROVOCAR ACIDENTES COM AUTOMÓVEIS , COISAS QUE ACONTECIAM COM OS BONDES E SENDO UM DOS MOTIVOS PARA SUA RETIRADA DE CIRCULAÇÃO. JÁ UM "TREM DE SUBURBIO" É PESADO , RESISTENTE , USUAL NO TRANSPORTE DE MASSAS QUE SE DESLOCAM EM HORÁRIOS DETERMINADOS ,COM PICOS AS VEZES FORA DE CONTROLE, E OUTROS PERÍODOS , TRAFEGAM QUASE VAZIOS ,E ,COBRANDO TARIFA POPULAR , QUASE SOCIAL. EM CAMPINAS ERA SÓ O INÍCIO DE UM PROJETO ,QUE FOI ABORTADO DEPOIS , ANTES DE SE COMPLETAR . OS VLTs PLANEJADOS PARA 2012 ,EM SUA MAIORIA, DIFEREM DE ALGUMAS CONCEPÇÕES , E QUASE UMA "COISA NOVA" ,JÁ QUE NEM É SEGMENTADO COMO NÃO SE MISTURA TOTALMENTE COM O TRANSITO DAS CIDADES; POR EXEMPLO , EM SANTOS OS PLANOS , SIM POIS NÃO HÁ PROJETOS AINDA, NOS MOSTRAM UM VEÍCULO DENTRO DE UM SISTEMA , CHAMAM-NO DE "SIM" (algo como sistema integrado metropolitano) ONDE TEREMOS ONIBUS BIARTICULADOS (onibus com dois veículos ou mais), ONIBUS SIMPLES TAMBEM , E , O VLT TRAFEGANDO NOS CANTEIROS CENTRAIS DAS GRANDES AVENIDAS (para quem conhece a região ,exemplo AVENIDA FRANCISCO GLICÉRIO e CONSELHEIRO NÉBIAS) ESTÁ TUDO LÁ NOS PLANEJAMENTOS.É ISTO .
    OLHA , TRABALHEI NA FEPASA ,E , DESEJO UM FORTE ABRAÇO A TODOS VOCES .

    JOSÉ MARQUES (marques o santista) -
    no YOUTUBE "poesia ferroviária"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só pra que vc saiba Marques o VLT de Campinas usava o leito desativado da sorocabana que se integrava com a Mogiana em Campinas, então se vc conhecesse o traçado vc ia ver que ele não se misturava com o transito, ele tinha horário sim, funcionava como metro, só não funcionou pq esse leito da Sorocabana era um corredor de carga, isso é com baixo fluxo para passageiros, se tivessem mantido até hj, talvez essas área estariam sido urbanizadas, diziam na época que o VLT ligava nada a lugar nenhum, sua estação final era muito longe do terminal metropolitano, se na época tivessem mudado o traçado final e feito a ultima estação integrando com o terminal metropolitano, Campinas hj teria seu metro ou VLT funcionando com novos traçados, pois quantidade de passageiros para isso ela tem. Entendeu marques o "santista"

      Anselmo Seles
      anselmoseles@gmai.com

      Excluir
  8. Isso tinha que ser um projeto já para essa campanha!!

    ResponderExcluir
  9. saudações! belas fotos, tomei a liberdade de copiar uma para ilustrar meu site eleitoral, sou candidato a vereador e uma de minhas propostas é levantar o debate sobre o VLT, mobilizando e levando a idéia para a população, através de debates e audiências públicas com especialistas e interessados no VLT, para pressionar a prefeitura a ressuscitar este projeto que considero a melhor solução para o trânsito de Campinas, um grande problema ambiental e social de nossa cidade... peço sua colaboração, pois pra tentar fazer isso, preciso antes ser eleito... para divulgar as idéias e propostas, criei um site eleitoral... obrigado e abraço
    Daniel Coelho
    http://www.CoelhoVoador.net
    http://www.Coelho15911.com.br

    ResponderExcluir
  10. Este sistema teve suas obras iniciadas em julho de 1990 na gestão do prefeito Jacó Bittar em parceria com o então governador Orestes Quércia, utilizando o antigo leito da E.F. Sorocabana para reduzir custos e tempo do projeto. No dia 23 de novembro deste mesmo ano iniciou-se a operação assistida do trecho entre as estações Barão de Itapura e Aurélia.
    A inauguração oficial ocorreu somente no dia 15 de março de 1991 do trecho entre as estações Central e Vila Teixeira que funcionou gratuitamente durante dois anos no período da manhã. A inauguração comercial definitiva ocorreu somente no dia 22 de abril de 1993 e junto também foi entregue um novo trecho entre as estações Vila Teixeira e Campos Elíseos.
    O traçado original era apenas um embrião do sistema que deveria continuar continuar por trilhos da antiga mogiana para outros bairros , tornando o sistema econômicamente viável. As composições começaram a circular em um leito que já existia, cada vagão tirava quatro ônibus do centro da cidade na época. Porém o imenso potêncial foi desprezado pelo prefeito sucessor de Jacó Bittar que era de outro partido político, o prefeito José Roberto Magalhães Teixeira do PSDB e seu vice Edivaldo Orsi que assumiu após sua morte, além das empresas de ônibus que não aceitaram um sistema integrado de transporte enterraram o VLT no dia 17 de fevereiro de 1995 .

    Fonte wikipédia

    ResponderExcluir
  11. Graças ao Sr Execelentíssimo José Roberto Magalhães Teixeira prefeito na época nós campineiros ficamos sem o VLT, pois este homen devolveu o VLT, alegando não haver gente suficiente para transportar, lembrando que faltavam apenas alguns quilometros menos de oito para ir até a região mais populosa de Campinas região dos dics e, segundo a imprensa este prefeito era um dos maiores acionistas das empresas de onibus.

    ResponderExcluir
  12. moro no jardim Miranda.
    Qual o nome da estação que tem aqui atras de casa?
    Moro no condominio Don Nery, margeando a Anhanguera.

    ResponderExcluir
  13. deveria retornar o vlt de campinas pois foi gastado mto dinheiro publico neste transporte e uma que ajudaria mto a nossa cidade

    ResponderExcluir